Eu amo-Vos Jesus pela multidão que se abriga dentro de vós, que ouço, com todos os outros seres, falar, rezar, chorar, quando me junto a Vós.
TEILHARD DE CHARDIN

domingo, 5 de novembro de 2017

Jesus

Diante de tantas confusões e perguntas sem respostas... Só há uma solução para sua vida JESUS CRISTO! Ele é o caminho, a verdade e a vida!

Colhido num blog

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

O Mandamento Novo...

O mandamento novo, já não do Levítico, mas do próprio Cristo: "amar como Ele nos amou" fazem aparecer não as comunidades dos essénios na sua separação completa do mundo, mas comunidades  de partilha, de entreajuda, de socorro espiritual e físico dentro e fora de portas:as comunidades da Igreja dos Actos.




sábado, 30 de setembro de 2017

O mandamento do Amor...

O mandamento do amor é a única segurança

Escrito em 1989...confirmado até hoje.

O Espírito de Deus, a sua própria energia mexe com os homens e o ambiente com o objectivo de os levar à verdadeira libertação, à mais radical e vasta comunhão.

Assim sempre que um homem ou um grupo deles, seja de que quadrante for, entra nesta aventura, o Espírito está em acção e se manifesta, produzindo segurança, bem estar, relações confiantes e estáveis.

Todos os atrasos, neste caminho, provocam disfunções,quebras na paz, retornos malévolos da natureza agredida.

Os homens cada vez mais tomam conhecimento dos seus direitos, e a um nível cada vez mais planetário não desistem de os alcançar com os meios melhores ou piores, de que podem dispor. A única segurança dos que já os exercem está em assegura-los, sem descriminação a todos.


O "ama ao próximo como a ti mesmo" tornou-se meta de sobrevivência.

Van Gogh

A multiplicação de muros em lugar da multiplicação do amor irá fazer dos países fortalezas medievais, sem futuro.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Oração do Sacerdote - numa tarde de Domingo

Oração do Sacerdote - numa tarde de Domingo
Esta tarde, Senhor, estou sozinho.
Na Igreja, pouco a pouco, os ruídos calaram-se.
Foi-se embora toda a gente,
E eu voltei para casa,
Passo a passo,
Sozinho.
Cruzei-me com gente que voltava de um passeio,
Passei pelo cinema: vomitava uma pequena multidão,
Vagueei ao longo de esplanadas de cafés onde, cansados,
Os domingueiros tudo faziam para esticar um pouco mais a
Alegria de viver um Domingo de festa.
Esbarrei nos miúdos que jogavam à bola na rua.
Os garotos, Senhor!
Os filhos dos outros, que não serão nunca os meus.
E aqui estou, Senhor,
Sozinho!
No silêncio que me dói
Na solidão que me oprime.
Tenho 33 anos, Senhor,
Um corpo feito como os outros corpos,
Braços moços para o trabalho,
Um coração reservado para o amor,
Mas tudo isto Te dei.
É verdade que de tudo precisavas,
Tudo Te dei, Senhor, mas é duro Senhor.
É duro dar o próprio corpo: ele queria dar-se a outro.
É duro amar toda a gente e não possuir ninguém.
É duro apertar a mão sem poder retê-la.
É duro fazer que brote uma afeição, mas para a dar a Ti.
É duro nada ser para mim mesmo,
a fim de ser tudo para eles.
É duro ser como os outros, entre os outros e ser um outro!
É duro dar sem cessar, sem procurar receber.
É duro alguém ir ao encontro dos outros, sem que jamais
alguém venha ao meu encontro.
É duro sofrer os pecados dos outros, sem poder recusar
acolhê-los e carregá-los.
É duro receber os segredos, sem poder compartilhá-los.
É duro arrastar os outros sem cessar e nunca poder, um
instante sequer, deixar-me arrastar pelos outros.
É duro sustentar os fracos sem poder apoiar-me sobre um
forte.
É duro estar sozinho.
Sozinho diante de todos,
Sozinho diante do mundo,
Sozinho diante do sofrimento, do pecado, da morte.
Não estás sozinho, meu Filho,
Estou contigo,
Eu sou teu,
Eu precisava, na verdade,
de uma humanidade a mais para continuar a minha
Encarnação e a minha Redenção.
Desde toda a eternidade, Eu te escolhi.
Eu preciso de ti:
Preciso das tuas mãos para continuara abençoar,
Preciso dos teus lábios para continuar a falar,
Preciso do teu corpo para continuar a sofrer,
Preciso do teu coração para continuar a amar,
Preciso de ti para continuar a salvar.
Fica comigo, meu Filho.
Senhor, eis-me aqui:
Eis o meu corpo,
Eis o meu coração,
Eis a minha alma.
Fazei-me bastante grande para atingir o mundo,
Bastante forte para carregar com ele,
Bastante puro para o abraçar, sem querer guardá-lo.
Fazei que eu seja um ponto de encontro, sim, mas ponto de passagem.
Caminho que não pende para si próprio,
porque nele não há nada de humano a encontrar, nada que não conduza a Ti.
Esta tarde, Senhor, enquanto tudo em volta está em silêncio,
dentro do meu coração sinto morder duramente a solidão.
Enquanto o meu coração uiva longamente a fome de prazer,
enquanto os homens me devoram a alma
e eu me sinto impotente para a saciar,
Enquanto sobre os meus ombros pesa o Mundo inteiro,
com todo o seu peso de miséria e pecado,
eu repito o meu Sim.
Não às gargalhadas, mas lentamente, lucidamente,
humildemente.
Sozinho, Senhor, sob o Teu olhar,
Na paz da tarde...
(in Poemas para rezar, de Michel Quoist)
Trad. Ir.Victor

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Pedro e o mar Evangelho: Mt 14,22-33








Todos esperam milagres....e se há um ( a multiplicação dos pães) ...logo pensam em ficar com o autor como rei ,não porque  o q ele diz vale a pena seguir, mas pq resolve as situações de maneira fácil Então Jesus  obriga os discípulos a entrarem na barca e a fazerem-se ao mar, para não serem atingidos pelos fumos da ostentação e aclamação, a que são sempre tão sensíveis.

As decisões levam Jesus a ficar em diálogo,a sós com o Pai, para se orientar sobre o que vai fazer em seguida

Mas não fica por lá ...logo procura de novo a companhia dos amigos.

E proporciona com a ajuda do  imprescindível Pedro o que há a fazer quando a vida doi...mais ou menos, mas doi.

Estender a mão para que Ele a agarre e nos dê força para continuar.

Foi que me disse o Evangelho

terça-feira, 23 de maio de 2017

Anunciando a paz...



Ansiosos estamos que ela nos traga o ramo de oliveira a esta nossa arca balouçante em águas revoltas...